Ação ecológica marca CF em Santa Rita do Sapucaí

AçãoCF2017_1Ocorreu na manhã do último domingo,04, a Caminhada da Fraternidade em Santa Rita do Sapucaí incentivada pelas paróquias Nossa Senhora de Fátima e Santa Rita de Cássia. Esta foi a primeira ação dentro da Campanha da Fraternidade 2017 proposta pela CNBB, que se iniciou oficialmente na 4ª feira de cinzas. Neste ano a CF é ecumênica e tem como tema: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”, e como lema: “Cultivar e guardar a Criação”

A caminhada da fraternidade iniciou na igreja matriz da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, com o envio e uma benção do padre Clemildes Francisco de Paiva. Nem o tempo ameaçador de chuva impediu a caminhada que, mesmo assim, contou com a presença de mais de 300 pessoas desde crianças até idosos, a grande maioria vestindo camiseta branca.

Os participantes receberam luvas e sacos de lixo para coletarem os lixos que encontrassem pelo caminho, em um percurso de 3km pelas ruas da cidade. Foram cerca de 2 horas, passando por locais onde a própria população joga lixo de forma irregular e por diversos pontos com esgoto a céu aberto. Esse esgoto posteriormente desemboca diretamente no Rio Sapucaí sem tratamento algum.

A caminhada percorreu também por algumas centenas de metros a margem do Rio Sapucaí, onde as pessoas observaram a riqueza da flora e fauna local, com árvores de diversas espécies, inclusive algumas Sapucaiais, bem como famílias de diversos animais selvagens que vivem naquele habitat, como patos, gansos, lagartos, e capivaras. Observaram também a presença de alguns pescadores que pescavam alguns mandis bem ao lado de enormes saídas de esgoto não tratados que eram jogados diretamente no Rio Sapucaí.

O objetivo da Caminhada da Fraternidade foi simplesmente chamar a atenção de toda a população com relação a verdadeira situação doAçãoCF2017_2 meio ambiente local no bioma em que vivemos (Mata Atlântica), buscando desenvolver consciência da necessidade urgente de fazermos algo pelo meio ambiente, nossa “Casa Comum”

A caminhada foi encerrada na escadaria do Santuário de Santa Rita de Cássia, onde os caminheiros encheram a carroceria de uma caminhonete com 20 sacos de 100L de lixo. Em seguida, foi dada a benção pelo Pe. Jonas, padre jesuíta, que acompanhou todo o percurso acompanhado de uma dúzia de jovens missionários.

Todo o lixo coletado teve a destinação adequada e foi entregue na Secretaria de Obras do Município que é responsável pela limpeza urbana. Instantes depois, um vereador que compõe a liderança do movimento do Grupo da Campanha da Fraternidade, recebeu a ligação da Prefeitura Municipal se dispondo a somar forças nessas ações e, inclusive, a doar diversas mudas de árvores frutíferas e sombrosas para serem plantadas pela população em uma próxima ação do grupo.

O Grupo CF tem uma ação apartidária, visando exclusivamente o resgate do meio ambiente e a melhoria de vida das pessoas propondo sempre uma forma sustentável. A liderança do Grupo da CF estabeleceu uma agenda com diversas ações, entre elas a criação de uma feira livre semanal na cidade, uma cooperativa e uma usina de reciclagem de lixo e uma palestra com o tema: “Meio Ambiente, Lixo Urbano e Eletrônico x Campanha da Fraternidade 2017” a ser proferia pelo Prof. Dr. Maurício Waldmam, especialista em meio ambiente e em lixo.

 

Informações: Cláudio Orlandi Lasso
Fotos: Emanuelle Melo – Pascom 

 

 

 

RCR promove congresso de Rádios Católicas

I-Congresso-Radio-CatlicaAs emissoras católicas de rádio poderão participar de mais um momento de crescimento conjunto apoiado pela Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). No próximo mês, acontece o I Congresso de Rádio Católica do Brasil, promovido pela Rede Católica de Rádio (RCR), nos dias 28 e 29 de março, em Aparecida (SP). A temática escolhida para o evento abordará o processo de migração das emissoras do rádio AM para a faixa de FM.

O arcebispo de Diamantina (MG) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB, dom Darci José Nicioli, convidou, por meio de carta, os radiodifusores a participarem do congresso. Dom Darci ainda recordou o primeiro Encontro Nacional de Rádios Católicas, realizado em fevereiro do ano passado, quando foi debatido o tema “sistema de digitalização”, a partir das preocupações dos responsáveis com a novidade. “Nosso encontro foi de grande proveito para todos os participantes e agradeço aos irmãos que enviaram membros de suas rádios”, escreveu.

O evento deste ano terá abordagem jurídica e também técnica, de acordo com dom Darci, uma vez que existem muitas dúvidas sobre o processo de migração das faixas AM para FM. “A  presença  dos responsáveis pelas rádios de propriedade da Igreja, ou a ela associadas, será de grande importância para decisões competentes, juridicamente embasadas e maior segurança de gestão”, salientou.

Na carta, o presidente da Comissão para a Comunicação da CNBB também pede aos bispos que enviem os responsáveis pelas emissoras das Igrejas particulares para o Congresso.

As inscrições deverão ser feitas no site da Rede Católica de Rádio, com a qual dom Darci ressalta “estreita sintonia”. Durante o encontro, os participantes terão oportunidade para inteirar-se das ações da Rede.

Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais

dnjsetormogi_23102016_6“Comunicar esperança e confiança no nosso tempo” é o título da Mensagem do Papa Francisco para o 51º Dia Mundial das Comunicações Sociais, que será celebrado no dia 28 de maio, Ascensão do Senhor.

A mensagem é divulgada tradicionalmente no dia 24 de janeiro, Festa de S. Francisco de Sales, padroeiro dos comunicadores.

O texto, como define o próprio Papa, é um encorajamento a todos os que trabalham neste campo para que comuniquem de modo construtivo, isto é, rejeitando preconceitos e promovendo uma cultura do encontro.

O protagonista da notícia, escreve Francisco, não pode ser o mal – que nos leva à apatia, ao desespero e a anestesiar a consciência –, mas a solução aos problemas, com um estilo comunicador aberto e criativo.

A realidade não tem um significado unívoco, afirma o Papa: tudo depende do olhar com que a enxergamos, dos “óculos” que decidimos pôr para ver: mudando as lentes, também a realidade aparece diferente. Portanto, o ponto de partida bom para ler a realidade é a Boa Notícia por excelência, ou seja, o Evangelho de Jesus Cristo.

Esta boa notícia, explica, não é boa porque nela não se encontra sofrimento, mas porque o próprio sofrimento é vivido num quadro mais amplo, como parte integrante do amor de Cristo ao Pai e à humanidade. Em Cristo, Deus fez-Se solidário com toda a situação humana, revelando-nos que não estamos sozinhos, porque temos um Pai que nunca pode esquecer os seus filhos.

Boa notícia
“Visto sob esta luz, acrescenta o Pontífice, qualquer novo drama que aconteça na história do mundo torna-se cenário possível também duma boa notícia, uma vez que o amor consegue sempre encontrar o caminho da proximidade e suscitar corações capazes de se comover, rostos capazes de não se abater, mãos prontas a construir.”

A esperança fundada na boa notícia que é Jesus, afirma ainda o Papa, nos faz erguer os olhos e contemplá-Lo no quadro litúrgico da Festa da Ascensão. “Aparentemente, o Senhor afasta-Se de nós, quando na realidade são os horizontes da esperança que se alargam.” Para Francisco, esta esperança não pode deixar de moldar também o nosso modo de comunicar, com a persuasão de que é possível enxergar e iluminar a boa notícia presente na realidade de cada história e no rosto de cada pessoa.

“A esperança é a mais humilde das virtudes, porque permanece escondida nas pregas da vida, mas é semelhante ao fermento que faz levedar toda a massa.” Quem se deixa conduzir pela Boa Notícia no meio do drama da história, conclui o Pontífice, torna-se farol na escuridão deste mundo, ilumina a rota e abre novas sendas de confiança e esperança.

 

Com informações da rádio Vaticano

 

Secretários paroquiais participam de encontro na Cúria

Secretárias e secretários das paroquias dos setores pastorais Mandú, Mogi e Extremo Sul se reuniram nesta quinta-feira na Cúria Metropolitana para receberem os novos livros de registros e também tirarem dúvidas sobre as novas orientações dos departamentos da Arquidiocese.

No período da manhã, o assunto foi sobre arquivamento e entrega dos novos livros para assentamentos de casamentos e batizados, momento este conduzido pelo Chanceler do Arcebispado, padre Jésus Andrade. Dom Majella se fez presente na reunião, agradeceu a todos e focou sobre a importância do trabalho de cada secretário e secretaria, afirmando que “todos são missionários”.

O período da tarde foi destinado para repasse de instruções dos departamentos Patrimonial, Contábil e RH e para esclarecimento de duvidas.

Edições CNBB disponibiliza cifras e partituras para a CF 2017

As cifras e partituras dos cantos da Campanha da Fraternidade 2017 (CF 2017) e da Quaresma deste ano estão disponíveis gratuitamente no site da editora Edições CNBB. Os interessados poderão fazer o download do arquivo com todas as músicas do CD cuja primeira música é o Hino Campanha da Fraternidade 2017, de autoria de padre José Antônio de Oliveira e Wanderson Freitas.

Banner_home

A Campanha da Fraternidade deste ano propõe o tema “Fraternidade: Biomas brasileiros e a defesa da vida” e o lema “Cultivar e guardar a criação (Gn2,15)”. O CD possui 24 faixas com o hino, três músicas inéditas relacionadas à temática da CF, os cantos para a Quaresma – Ano A e partes fixas da Missa, como ato penitencial, Santo, aclamações da Oração Eucarística, Eis o Mistério da Fé, Amém e Cordeiro de Deus. Todas as cifras estão disponíveis no arquivo PDF que poderá ser baixado no site da editora após cadastro. No encarte do CD estão impressas as partituras de cada música.

Cultivar e guardar a criação
A proposta da CF 2017 é dar ênfase à diversidade de cada bioma brasileiro e criar relações respeitosas com a vida e a cultura dos povos que neles habitam, especialmente à luz do Evangelho. É o que sustenta o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Ulrich Steiner. Para ele, a depredação dos biomas é a manifestação da crise ecológica que pede uma profunda conversão interior. “Ao meditarmos e rezarmos os biomas e as pessoas que neles vivem sejamos conduzidos à vida nova”, afirma.

Ainda de acordo com dom Leonardo, a Campanha deseja, antes de tudo, que o cristão seja um cultivador e guardador da obra criada. “Cultivar e guardar nasce da admiração! A beleza que toma o coração faz com que nos inclinemos com reverência diante da criação. A campanha deseja, antes de tudo, levar à admiração, para que todo o cristão seja um cultivador e guardador da obra criada. Tocados pela magnanimidade e bondade dos biomas, seremos conduzidos à conversão, isto é, cultivar e a guardar”, salienta.

Coleções de cantos da CF
No site da CNBB há uma coletânea de partituras dos hinos e alguns cantos de várias edições da Campanha da Fraternidade, desde 1966.

 

Com informações CNBB Leste 2