Artigo: “A Bíblia e o celular”, por padre Adilson Rocha

Por Padre Adilson Rocha
Pontifício Collegio Pio Brasialano

Na oração do Angelus do último domingo (05/03/2017) na praça São Pedro, O Papa Francisco lançou um grande desafio: “usar a Bíblia como usamos o nosso celular”. O pedido se deu no contexto da meditação sobre as Tentações de Jesus (Primeiro Domingo da Quaresma Ano A). Jesus rebate as provocações de Satanás utilizando a Palavra de Deus. Desse modo, indicou para todos os seus seguidores uma poderosa arma contra as tentações: a força que vêm da Palavra. Segundo o Papa Francisco, na medida em que criamos uma intimidade com a Bíblia conseguiríamos vencer as cotidianas investidas do mal. Partindo desse princípio, o Papa lançou a sugestão: “o que aconteceria se tratássemos a Bíblia como tratamos o nosso celular?”. Francisco não deu uma resposta à pergunta, mas convidou a pensar.

Olhando para o nosso mundo, o vemos pleno de tecnologia que facilita as atividades do dia a dia, que torna a distância menor ou praticamente inexistente, que nos possibilita potencializar o tempo com muitos afazeres, que nos informa de tudo aquilo que acontece ao redor de todo o globo, que permite expressar emoções e afetos na tela touch … enfim são muitos os benefícios conquistados pelo avanço da capacidade humana. Toda essa tecnologia pode ser, de certo modo, condensada no nosso aparelho celular. Carregado de tantas utilidades, ele se tornou uma ferramenta indispensável para os nossos dias. Poderíamos afirmar, sem medo de exagero, que ele se tornou tão indispensável quanto qualquer membro do corpo. O celular, para muitos, se tornou a primeira coisa que se toca quando se levanta e a última, quando se dorme. Podemos dizer que o celular nos liga ao mundo e tudo o que ele contém e faz isso de modo quase perfeito.

E o que tem a Bíblia em relação com isso? Vejamos. No livro do Deuteronômio, capítulo 6, na famosa seção do Shemá, encontramos “que estas palavras que hoje eu te ordeno estejam em teu coração! Tu as ensinará aos teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando em teu caminho, deitado e em pé. Tu as atarás também em tua mão como um sinal, e serão como um frontal entre os teus olhos” (Dt. 6,6-8). O desejo de Deus, expresso nestas linhas do Livro de Deuteronômio, é que a sua Palavra se torne algo do qual o homem não consegue mais se esquecer e viver sem. Sem dúvida nenhuma, ela deve ser tornar como o celular é para nós. Se o celular contém em si muita tecnologia e nos liga a tudo o que acontece no mundo físico, a Palavra de Deus contém toda a sabedoria e nos liga ao mundo espiritual, pois nela encontramos muitas portas pelas quais Deus vêm até nós.

O Papa lançou o desafio: “o que aconteceria se tratássemos a Bíblia como tratamos o nosso celular?” Eu me arrisco a responder: “sucederia que Deus teria mais espaço na nossa vida, seriamos mais fortes nas provações, seriamos mais fortes na nossa espiritualidade, seriamos mais ligados ao seu grande amor …”

Responda você também ao desafio lançado: “o que aconteceria se tratássemos a Bíblia como tratamos o nosso celular?”