Nomeados bispos para Sorocaba (SP) e Crato (CE)

O papa Francisco procedeu em duas alterações no episcopado brasileiro, nesta quarta-feira, dia 28 de dezembro. De acordo com comunicado da Nunciatura Apostólica no Brasil, o pontífice acolheu o pedido de renúncia apresentado por dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues, por motivo de idade, e nomeou arcebispo de Sorocaba (SP), dom Júlio Endi Akamine, atualmente bispo auxiliar da arquidiocese de São Paulo (SP).

Na mesma data, o papa aceitou o pedido de renúncia do governo pastoral da diocese de Crato (CE) apresentado por dom Fernando Panico, conforme o cânon 401 §1 do Código de Direito Canônico. Em consequência, assumirá o pastoreio da Igreja particular o bispo coadjutor, dom Gilberto Pastana de Oliveira.

Novo arcebispo de Sorocaba

dom-juliio-endi-akamine_sorocabaspDom Julio Endi Akamine, filho do casal Guengio Akamine (falecido) e Teruco Oshiro Akamine, nasceu em 30 de novembro de 1962 em Garça (SP).

Em 1975 entrou no Seminário da Sociedade do Apostolado Católico (Palotinos), em Londrina (PR), onde completou os estudos no Seminário Menor São Vicente Pallotti. Fez o noviciado em 1979 no Seminário Rainha da Paz, Cornélio Procópio (PR). Sua primeira consagração foi a 8 de dezembro de 1980, na mesma cidade.

Cursou Licenciatura em Filosofia na Pontifícia Universidade Católica (PUC), de 1981 a 1983, e Teologia no “Studium Teologicum Claretianum”, de 1984 a 1987, na arquidiocese de Curitiba (PR). Foi ordenado sacerdote em 24 de janeiro de 1988, na cidade de Cambé (PR).

Obteve o Mestrado em Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma (1993 a 1995) e Doutorado na mesma Universidade (2001 a 2005).

Como sacerdote palotino desempenhou a função de vigário paroquial, pároco e reitor do Seminário Mario Palotino, em Curitiba. Também foi assessor da Organização dos Seminários e e Institutos Filosófico-Teológicos do Brasil (Osib) no regional Sul 2 da CNBB. Entre outras funções, atuou como diretor do período introdutório da Província Regina Apostolorum, na Itália (2003-2004).

No período de 1996 a 2001 e de 2005 a 2011, foi professor de teologia no Studium Theologicum, em Curitiba, onde lecionou as matérias de Teologia Sacramentária Geral, Sacramentos da Iniciação Cristã, Eclesiologia, Trindade, Introdução à Teologia e Teologia Fundamental.

Foi reitor Provincial da Província Palotina São Paulo Apóstolo, com sede na capital paulista, de 2008 a 2011, quando foi nomeado bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, em 4 de maio daquele ano. Sua ordenação episcopal foi em 9 de julho. Ele é bispo referencial da Pastoral da Educação.

Bispo de Crato

dom-gilberto-pastana_cratoceNatural de Boim (PA), dom Gilberto Pastana nasceu em 29 de julho de 1956. Tendo sido ordenado presbítero em 27 de julho de 1985, em Santarém (PA), foi nomeado bispo de Imperatriz (MA) em 03 de agosto de 2005 e escolheu o lema episcopal “Venha o teu reino”. É mestre em Teologia, com especialização em Teologia Espiritual, no Teresianum, em Roma, Itália.

Na trajetória antes do episcopado, dom Gilberto atuou como vigário paroquial, reitor de seminário, coordenador diocesano de pastoral. Foi coordenador do departamento de Filosofia e Teologia no Instituto de Pastoral Regional (Ipar), em Belém (PA), e diretor da Rede Vida de Televisão, de 2000 a 2005.

 

Com informações da CNBB

Retrospectiva Arquidiocesana 2016

Durante o encontro do clero da Arquidiocese de Pouso Alegre nesta terça-feira, 21, o coordenador da pastoral presbiteral, padre Fabiano José Pereira, fez, em forma de oração, uma retrospectiva das atividades arquidiocesanas durante o ano de 2016, que vamos compartilhar agora:

“Mais um ano se finda. Chegamos aos nosso último encontro de 2016. Foram tantos, graças a Deus! Nos reunimos para rezar e celebrar; para discutir assuntos e aprender; para sorrir e chorar; para reclamar, programar, descansar e semear…

Neste momento, faço memória da Parábola do Semeador, narrada pelos evangelhos. O semeador saiu para semear. Jesus compara o trabalho do agricultor com aquele que evangeliza. Lançar a semente para Ele é o gesto primeiro e essencial, mesmo diante das incertezas, preocupações, adversidades e ventos contrários. O agricultor deve saber que ele é apenas uma parte de um processo muito maior, cuja realização plena está muito além de suas forças e potencialidades. É preciso, como nos ensina o Papa Francisco, ‘caminhar, edificar e confessar Jesus Cristo’ (missa em ação de graças pelo conclave, em 14 de março de 2013) com esperança e simplicidade de coração. É a terra boa, preparada pela Graça, e a bondade do Pai do céu ‘que faz crescer os lírios do campo’ (Mt 6, 28), que farão com que os frutos venham abundantemente. O apóstolo Paulo nos ensina na carta aos Coríntios: ‘eu plantei, Apolo regou, mas Deus é quem fez crescer. Assim, nem o que planta é alguma coisa nem o que rega, mas só Deus, que faz crescer’ (1Cor 3, 6-7).

Por isso, irmãos, rendamos graças a Deus pelas sementes lançadas no chão de nossa Arquidiocese em 2016:

– Ordenações sacerdotais e diaconais: Sementes lançadas na terra boa através do ‘sim’ definitivo ao serviço do Reino pelos nossos irmãos ordenados diáconos e presbíteros: padre Marcos Vinícius e padre Andrey, diácono Fabiano e diácono Luciano;

– Jubileus sacerdotais: Sementes louvadas com júbilo pelos frutos, mas, sobretudo, pela perseverança incentivadora no caminho evangelizador através da vida e missão de nossos irmãos jubilandos: Monsenhor José Carneiro (70 anos de ordenação presbiteral), Cônego Ramon (25 anos de ordenação presbiteral). E, especificamente no dia de hoje (20/12/2016), o aniversário de ordenação do padre Poggetto (58 anos), padre Raymundinho e padre Paulo Adolfo, e o natalício dos padres Silvino, Paulo Âmbar e Cônego Braz;

– Ano da misericórdia: Semente generosa lançada ao coração do povo através dos sacramentos e outros momentos intensos de reflexão e celebração no contexto do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, iniciativa profética do Papa Francisco com tantos frutos para toda a Igreja, para nossas comunidades eclesiais e de maneira particular em nossos Santuários arquidiocesanos, Basílica e Catedral Metropolitana;

– Falecimento: Semente lançada à terra na certeza da Ressurreição e da vida eterna na pessoa do padre Antônio Marques, que fez sua Páscoa definitiva;

– Criação de Paróquias: Sementes lançadas com espírito missionário através da criação de novas famílias paroquiai, centros irradiadores da Boa Nova, Casas da Palavra, da Eucaristia e da Caridade. Louvamos a Deus pelas novas Paróquias de Nossa Senhora das Graças e Santo Antônio, em Itajubá; Nossa Senhora Aparecida, em Marmelópolis; São Cristóvão e São Benedito, em Extrema; e São Sebastião, em Senador José Bento;

– Visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora Aparecida: Semente carinhosamente plantada em muitas comunidades por ocasião da visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora Aparecida em preparação aos 300 anos do encontro da imagem da Rainha e Padroeira do Brasil. Louvado seja Deus por este tempo de Graça que prossegue, agora, com o Ano Mariano em 2017;

– Início de ministérios pastorais: Semente lançada com generosidade e esperança em muitas comunidades através do início pastoral de vários irmãos presbíteros designados párocos, reitores, vigários paroquiais, Juiz do Tribunal Eclesiástico, auditores, colaboradores ou para outros serviços da caminhada de nossa Igreja Particular;

– Visitas pastorais: Sementes fecundas lançadas no serviço apostólico e pastoral de nosso estimado pai e pastor, Dom Majella, sobretudo nas visitas pastorais, momentos expressivos de confirmação na fé, comunhão, proximidade e articulação da caminhada de nossas comunidades;

– Dez anos da FACAPA: Semente plantada no último ano e no decorrer da última década pela intensa atividade intelectual e formativa de nossa Faculdade Católica. Louvamos e agradecemos a Deus por este instrumento de evangelização, pedindo a São José que abençoe e proteja sempre mais a nossa instituição acadêmica;

– Padres que concluíram seus estudos: Sementes que se revelam na conclusão dos estudos de especialização dos padres de nosso presbitério: padre Daniel Santini (doutor em Filosofia), padre Ronne Peterson e padre Juliano Almeida (mestres em Direito Canônico). Não esquecendo daqueles irmãos que há pouco iniciaram ou que já estão prestes a concluir seus estudos, como padre Adilson Rocha e Dirlei Abércio em Roma; padre Eduardo Rodrigues em Belo Horizonte; e padre Antônio Cássio em Itajubá;

– Padres que publicaram obras: Sementes que se revelam em talentos de padres escritores, como padre Jésus Benedito dos Santos e padre Flávio Sobreiro;

– Centenário da posse de Dom Octávio: Semente em forma de gratidão e louvor pelo primeiro centenário da nomeação e posse do terceiro bispo de Pouso Alegre, Dom Octávio Chagas de Miranda, vivenciado com solenidade e entusiasmo pela nossa Arquidiocese, em momentos celebrativos e na reinauguração do Arquivo da Cúria Metropolitana, que agora leva o nome de Dom Octávio;

– 9ª Assembleia Arquidiocesana de Pastoral: Semente lançada no coração de nossas comunidades, paróquias, setores pastorais e de toda a Arquidiocese com o objetivo de evangelizar com alegria, tendo como referência o serviço com as famílias, com uma Igreja em estado permanente de missão e com a vida plena para todos.

Enfim neste encontro de confraternização, conscientes da situação em que nosso país e nosso povo brasileiro viveu neste ano e ainda vive, clima de crise social, política e econômica, não nos conformando com a onda de pessimismo e até mesmo de ódio que ameaça nosso país, damos uns aos outros os votos de feliz ano novo, expressando nossa fraternidade, nosso otimismo e nosso desejo de caminharmos ainda mais unidos em 2017.

Feliz ano novo!!!”

Cônego Ramon celebra jubileu em sua terra natal

O Cônego Benedito Ramon celebrou no último domingo, 18, o seu jubileu de prata Sacerdotal em sua terra natal, Paraisópolis. Centenas de fiéis participaram da missa em ação de graças na Igreja Matriz da Paróquia São José, a qual foi presidida pelo próprio jubilando e concelebrada por diversos padres da Arquidiocese de Pouso Alegre. Concelebraram o Cônego Wilson Mário de Moraes, vigário geral da Arquidiocese, e os padres Sebastião Márcio Maciel, Vanir Ramos Barbosa, José Raimundo do Prado, Daniel Santini Rodrigues e Fabiano José Pereira.

No dia 14 de dezembro, Cônego Ramon já havia celebrado os 25 anos de vida presbiteral no Carmelo da Sagrada Família de Pouso Alegre e na Paróquia Santa Rita de Cássia, em Santa Rita do Sapucaí, onde é pároco.

Cônego Benedito Ramon Pinto Ferreira foi ordenado no dia 14 de dezembro de 1991, pelo então arcebispo de Pouso Alegre, Dom João Bergese.

 

Informações e fotos: http://oparaisodejose.blogspot.com.br/

CF 2017 é tema de encontro arquidiocesano

20161218_092933No último domingo, 18, cerca de 60 pessoas, entre lideranças paroquiais leigas, religiosas e sacerdotes, participaram da formação arquidiocesana sobre a Campanha da Fraternidade 2017. Com o tema “Fraternidade: biomas brasileiros e a defesa da vida, e o lema “Cultivar e guardar a criação”, em 2017, a Campanha da Fraternidade propõe enfatizar a diversidade de cada bioma e criar relações respeitosas com a vida e a cultura dos povos que neles habitam, especialmente à luz do Evangelho.
O encontro, promovido pela Comissão Vida Plena para Todos, foi realizado no Seminário Arquidiocesano Nossa Senhora Auxiliadora, em Pouso Alegre, e teve início com a celebração da missa, às 8h, encerrando-se às 15h30. Na parte da manhã, o assessor Pe. Nelito Dornellas, da Diocese de Governador Valadares e ex-assessor da CNBB, fez a memória da caminhada e reflexão da Igreja sobre as questões ambientais, especialmente no Brasil. Magda Melo, leiga de Uberlândia, com experiência missionária em Rondônia, apresentou o texto-base da Campanha de 2017.
Na parte da tarde, os participantes foram convidados a dialogarem e proporem ações para animar a Campanha da Fraternidade na Arquidiocese e nas paróquias e comunidades. As propostas foram sistematizadas pela Comissão e estão sendo enviadas às paróquias e aos participantes. Em linha geral, destacam-se a formação, estudo e conscientização sobre o tema e o apoio a projetos que valorizem a vida, na dimensão ecológica (coleta seletiva do lixo, reflorestamento com árvores nativas, agricultura sustentável, planejamento urbano etc.).

 

Textos e fotos: Suzana Coutinho – Comissão Vida Plena para todos