Papas Francisco e Bento XVI se encontram no Vaticano

Francisco_Bento_30-06-15_4O Papa Francisco foi, na manhã desta terça-feira, 30, até o mosteiro Mater Ecclesia, nos Jardins do Vaticano, onde saudou o Papa emérito Bento XVI. Em seguida, Francisco partiu para Castelgandolfo. Bento XVI ficará na residência pontifícia até o próximo dia 14 de julho. O encontro desta manhã durou cerca de meia hora e marcou o início das atividades de Verão no Vaticano.

Audiências e missas
As Audiências gerais da quarta-feira estão suspensas durante todo o mês de julho. Em agosto, elas serão retomadas na Sala Paulo VI. Com exceção para a já prevista audiência da próxima sexta-feira, dia 3, com a Renovação Carismática na Praça São Pedro, todas as demais audiências estão suspensas. O único compromisso público do Papa neste período, quando estiver no Vaticano, segue sendo o Angelus de Domingo. As missas matutinas do Papa com os grupos de fiéis na Casa Santa Marta estão suspensas nos meses de julho e agosto. Serão retomadas em setembro.

 

Informações e fotos: Agência News.Va

Paróquia se despede de padre Edpo, que vai para a missão

Foto: Helen do Couto
Foto: Helen do Couto

A Paróquia Santo Antonio de Jacutinga se reuniu na noite do último domingo, 28, para participar da Eucaristia em ação de graças pelos dois anos e meio que padre Edpo Campos esteve na paróquia, período no qual realizou seu estágio pastoral, diaconato e também seu ministério presbiteral.

A Igreja ficou lotada e todos quiseram prestar uma linda homenagem ao padre Edpo, que no próximo mês embarca para o Pará, onde realizará a missão na Igreja Irmã de Ponta de Pedras. Concelebraram os padres Jésus Benedito dos Santos e Vilson Moreira do Couto, pároco e vigário paroquial, e os padres Lucas Crispim e Marcos Eduardo Caliari, colegas de turma de padre Edpo.

No final da celebração, o jovem padre agradeceu a todos os presentes e também ao povo jacutinguense pela acolhida e carinho que teve com ele durante todo o tempo que lá esteve e pediu que todos continuassem rezando por ele. Padre Edpo deverá ficar no Pará por um período de três anos.

11666074_1597928643795754_2687001519725938858_n
Foto: Helen do Couto

A missão no Pará
Há sete anos, a Igreja particular de Pouso Alegre assumiu essa missão no Pará, mais especificamente Paróquia Nossa Senhora da Conceição em Cachoeira do Arari-PA. No ano de 2013 padre Edpo fez uma pequena experiência de um mês na Ilha do Marajó, quando teve a oportunidade de conhecer aquela realidade. Uma terra de desafios, tais como a distância dos grandes centros, a situação econômica, a realidade cultural distante da nossa. Em entrevista ao Jornal A Gazeta de Jacutinga, ele contou sua expectativa sobre essa nova etapa na sua vida.

“Um grande desafio para esses anos de missões será o estar longe dos amigos e da minha família. Mas tenho a certeza de que as orações me auxiliarão a lidar bem com esta dificuldade. A Atuação da Igreja por lá vem a ser uma

Arquivo pessoal/ 2013
Arquivo pessoal/ 2013

presença de auxílio pastoral e humano. Nosso Arcebispo, Dom Majella, nos orientou que é necessário um cuidado ao patrimônio da Igreja naquela localidade. Sabemos que não somos eternos lá, sendo assim, precisa-se ajudar o povo a assumir que a Igreja também é deles. Precisamos ajudá-los a “sentir-se Igreja”, disse.

“O Tempo previsto para a missão em nossa Igreja irmã é de três anos. Tenho que ter consciência que o meu clero é aqui em Pouso Alegre, então este tempo de missão não deve ser eterno. Volto para continuar a minha missão presbiteral ao final deste tempo aqui na arquidiocese ao lado de meu povo e do clero que me acolheu na minha ordenação. Não estarei sozinho nas missões, terei a presença do padre Leandro Silva, natural de Bom Repouso e também meu padrinho de ordenação diaconal. Chego para dar continuidade aos trabalhos do padre Fabiano, natural de Poço Fundo, que retorna depois de três anos no Pará”, explicou.

D Majella é eleito para Comissão de Cultura e Educação da CNBB

Durante a reunião do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada de 16 a 18 de junho, em Brasília /DF, foram eleitos integrantes das Comissões Episcopais Pastorais, compostas por um bispo presidente e bispos membros.

O Arcebispo de Pouso Alegre, Dom José Luiz Majella Delgado, C.Ss.R, foi eleito membro da  Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura e Educação, que tem como presidente Dom João Justino de Medeiros, bispo auxiliar de Belo Horizonte/MG. Também integram a comissão Dom Julio Endi Akamine e Dom José Roberto Francisco Ferrería Paz.

DSC05245 - Copia

Conforme previsto pelo Estatuto Canônico e Regimento da CNBB, artigo 68, “as Comissões Episcopais, cada qual em seu âmbito, pelos seus presidentes, no Conselho Episcopal Pastoral, promovem a Pastoral Orgânica nacional, com suas dimensões globais e setores especializados”.

Compete a cada Comissão animar os programas e projetos em seu âmbito de atribuições em comunhão com as demais Comissões, pela unidade e vivência das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora na Igreja no Brasil (DGAE).

Confira a lista completa com a nova formação das Comissões Episcopais da CNBB:

1 – Comissão para os Ministérios Ordenados e Vida Consagrada

Presidente – Dom Jaime Spengler – arcebispo de Porto Alegre (RS)

Membros

Dom Juarez Souza da Silva

Dom João Francisco Salm

Dom José Roberto Fortes Palau

 

2 – Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato

Presidente – Dom Severino Clasen – bispo de Caçador (SC)

Membros

Dom Giovanne Pereira de Melo

Dom Pedro José Conti

Dom Remídio José Bohn

 

3- Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária

Presidente -Dom Esmeraldo Barreto de Farias – bispo auxiliar de São Luís (MA)

Membros

Dom Odelir José Magri

Dom Giovanni Crippa

Dom Bernardo Johannes Bahlmann

 

4- Comissão Episcopal Pastoral para Animação Bíblico-Catequética    

Presidente – Dom José Antônio Peruzzo, arcebispo de Curitiba (PR)

Membros

Dom Mário Antônio da Silva

Dom Carlos Verzeletti

 

5 – Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé      

 

Presidente – Dom Pedro Carlos Cipollini, bispo de Amparo (SP)

Membros

Dom Leomar Antônio Brustollin

Dom João Santos Cardoso

Dom Waldemar Passini Dalbello

Dom Marcos Marian Piatek

 

6 – Comissão Episcopal Pastoral para Liturgia

Presidente – Dom Armando Bucciol, bispo Nossa Senhora do Livramento (BA)

Membros

Dom Edmar Peron

Dom Geremias Steinmetz

 

7 – Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso

Presidente -Dom Francisco Biasin, bispo de Barra do Piraí-Volta Redonda (RJ)

Membros

Dom Manoel João Francisco

Dom Zanoni Demettino Castro

 

8 – Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, Justiça e Paz

Presidente – Dom Guilherme Werlang, bispo de Ipameri (GO)

Membros

Dom Canísio Klaus

Dom José Valdeci Santos Mendes

Dom André de Witte

Dom Milton Kenan Júnior

Dom Luiz Gonzaga Fechio

 

9 – Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura e Educação

Presidente – Dom João Justino de Medeiros, bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG)

Membros

Dom Julio Endi Akamine

Dom José Luiz Majella Delgado

Dom José Roberto Francisco Ferrería Paz

 

10 – Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família

Presidente – Dom João Bosco Barbosa de Sousa, bispo de Osasco (SP)

Membros

Dom João Carlos Petrini

Dom Wilson Tadeu Jönck

 

11 – Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude

Presidente – Dom Vilsom Basso, bispo de Caxias (MA)

Membros

Dom Antonio Emídio Vilar

Dom Nelson Francelino Ferreira

 

12 – Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação

Presidente – Dom Darci José Nicioli, bispo auxiliar de Aparecida (SP)

Membros

Dom Devair Araújo da Fonseca

Dom Teodoro Mendes Tavares

Informações: CNBB

D. Majella fala sobre o envio de padre Edpo para o Pará

Pe. Edpo
Padre Edpo, quando ainda seminarista, ficou um mês em experiência missionária em Ponta de Pedras

A Arquidiocese de Pouso Alegre tem, nos últimos anos, enviado missionários para Diocese Irmã de Ponta de Pedras, no Pará. Um projeto realizado há sete anos e que vem trazendo frutos. Em agosto, mais um padre inicia seu trabalho missionário em terras paraenses: padre Edpo Campos, que até então desempenhava seu ministério na Paróquia Santo Antônio, em Jacutinga.

No último domingo, 28, em visita à Paróquia do Senhor Bom Jesus, no município de Albertina, o Arcebispo Metropolitano, Dom José Luiz Majella Delgado – C.Ss.R., falou sobre esse importante trabalho realizado pela Igreja de Pouso Alegre e também sobre o envio do padre Edpo para as missões.

Atualmente, em Ponta de Pedras, está o padre Fabiano José Pereira, que retorna em Julho para Minas Gerais, e padre Leandro Silva, além dos seminaristas Rafael Xavier, Rodrigo Pereira e Felipe Alvarenga.

A entrevista foi dada à Pastoral da Comunicação da Paróquia Santo Antônio.

Veja alguns trechos da entrevista

“O Padre Edpo, tem um espírito missionário. Ele se ofereceu para fazer esse trabalho missionário e para nós é causa

Padres Fabiano e Leandro, que atualmente estão no Pará
Padres Fabiano e Leandro, que atualmente estão no Pará

de muita alegria, porque nós já estamos em Ponta de Pedras há sete anos. Atualmente nós temos dois padres que lá estão exercendo o trabalho há três anos. Um padre está sendo transferido, ou seja, está voltando para a Arquidiocese, que é o padre Fabiano, e o outro padre Leandro vai continuar por mais um ano, então nós queremos fazer essa passagem, por isso que o padre Edpo está indo agora”.

“Então para nós é motivo de muita alegria quando nós encontramos um sacerdote que se coloca a disposição para a missão evangelizadora. O Papa Francisco está nos insistindo muito que nós precisamos olhar mais para a Igreja da Amazônia. Precisamos olhar para essa Igreja e dar uma presença mais efetiva e somos nós, aqui do Sul e do Sudeste, que temos um número mais ou menos de agentes que podem prestar esse serviço. Por isso é com muita alegria, com muita satisfação que nós estamos enviando o Padre Edpo”.

20150617084606“Além dos dois padres, nós temos também três seminaristas que concluíram a filosofia em 2014 e nesse ano de 2015 eles interromperam os estudos e foram para Ponta de Pedras. Estão fazendo uma experiência da Igreja Missionária, estão ali convivendo com o povo na Ilha de Marajó, conhecendo um jeito de ser Igreja, e também enriquecendo no processo formativo deles. Deverão retornar o ano que vem 2016 para continuar os estudos de Teologia”.

Paróquia onde atua a Arquidiocese de Pouso Alegre no Pará
Os missionários da Arquidiocese de Pouso Alegre moram e atuam pastoralmente na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, fundada no ano de 1747. A Paróquia está localizada na cidade de Cachoeira do Arari – Marajó/PA.  Os padres Leandro Silva e Fabiano Pereira têm a companhia dos seminaristas Rafael, Rodrigo e Felipe, que fazem um estágio missionário. Ao todo são 23 comunidades, urbanas, de campo (rurais) ou ribeirinhas.

 

Nota do regional Sul 3 sobre riscos da Ideologia de Gênero

Os bispos do regional Sul 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que abrange o estado do Rio Grande do Sul, emitiram nota em que destacam os riscos da inclusão da ideologia de gênero nos planos estadual e municipal de educação. O texto afirma que é necessário cautela sobre a questão de gênero no plano de educação, uma vez que “a ideologia de gênero sustenta que a pessoa humana é sexualmente indefinida e indefinível”.

Segundo os bispos do regional, “como consequência da questão de gênero, promove-se a desvalorização da família em favor da liberdade individual, desconsidera-se a maternidade natural e o matrimônio, e desprezam-se os valores religiosos”.

Confira a íntegra do texto:

Nota do regional Sul 3 sobre riscos da introdução da Ideologia de Gênero
nos Planos Estadual e Municipais de Educação

O Congresso Nacional aprovou recentemente o Plano Nacional de Educação. Os Estados e Municípios terão até o dia 24 de junho para aprovarem os próprios planos para que as metas estabelecidas nacionalmente sejam monitoradas e cumpridas localmente. A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul e as Câmaras Municipais estão se preparando para aprovar o Plano Estadual e os Planos Municipais de Educação. O futuro de nosso povo depende da qualidade da educação oferecida às nossas crianças e adolescentes.

Nesse contexto, queremos ressaltar a importância de debatermos e nos acautelarmos sobre a questão de gênero no âmbito do Plano Estadual de Educação e dos Planos Municipais de Educação. Há quem pretenda assegurar e promover a diversidade de gênero, propondo consolidar políticas públicas que defendam a igualdade e identidade de gênero.

Ora, a ideologia de gênero sustenta que a pessoa humana é sexualmente indefinida e indefinível. Elimina-se a ideia de que os seres humanos se dividem em homem e mulher. Para além das evidências anatômicas, entendem que esta não é uma determinação fixa da natureza, mas resultado de uma cultura ou de uma época. Para a ideologia de gênero o “natural” não é tido como valor humano e é preciso superar até mesmo a distinção da natureza masculina e feminina das pessoas. Com o intuito de superar discriminações, desconsideram-se as diferenças. Acusa-se que as explicações naturais são formulações ideológicas para manter determinada posição social. Como consequência da questão de gênero, promove-se a desvalorização da família em favor da liberdade individual, desconsidera-se a maternidade natural e o matrimônio, e desprezam-se os valores religiosos.

Nessa conjuntura, o Papa Francisco, questiona: “Pergunto-me, por exemplo, se a chamada teoria de gênero não é expressão de uma frustração e resignação, com a finalidade de cancelar a diferença sexual por não saber mais como lidar com ela. Neste caso, corremos o risco de retroceder… A eliminação da diferença, com efeito, é um problema, não uma solução. Para resolver seus problemas de relação, o homem e a mulher devem dialogar mais, escutando-se, conhecendo-se e amando-se mais” (15.04.2015).

Como Igreja, insistimos que a educação possibilite superar as desigualdades educacionais e as discriminações, criando redes de proteção contra as exclusões. Entretanto, o respeito às minorias

não pode impor a todo custo a desconstrução de valores consagrados em âmbito familiar. Também não se pode desconsiderar aspectos biológicos e psicológicos naturais. O ser humano nasce masculino ou feminino, nisso se expressa sua identidade! A diferença homem e mulher não pode ser considerada um fato meramente social; é sobretudo dado biológico, originário da própria natureza. A partir da perspectiva da fé judaico-cristã sabemos que Deus criou o ser humano, homem e mulher (Gn 1, 27). A questão que se impõe é: Qual é o objetivo dos que defendem tal ideologia? Que modelo de sociedade os orienta? O que se propõe como possível futuro para a sociedade?

A ideologia de gênero representa uma distorção completa ao conceito de homem e mulher. Não é possível que esta ressignificação antropológica tenha um reconhecimento oficial. Tenha-se presente ainda que o Plano Nacional de Educação não faz menção à adoção da promoção da identidade de gênero como diretriz geral a ser adotada na educação nacional. Além do mais, não é dado aos Estados e Municípios dispor em sentido contrário ao Plano Nacional de Educação.

O que se questiona é o fato de querer impor ao Estado a tarefa de estimular educacionalmente as crianças para que refreiem suas disposições biológicas em nome de teorias sociológicas, não consensuais e sem suficiente base científica. Certamente cada pessoa, no momento oportuno de seu desenvolvimento biológico-emocional, no âmbito de seu núcleo social fundamental – a própria família – vai tratar da orientação sexual e não da classificação de sua identidade sexual. Os pais têm autoridade primordial sobre seus filhos em matéria de educação, principalmente em temas de moral e sexualidade.

Fazemos votos que os que foram escolhidos pelo povo para lhes representar neste espaço onde se considera sempre o bem comum, possam agir como estadistas; ou seja, como homens e mulheres públicas que pensam nas novas gerações.

 

Dom Jaime Spengler
Presidente do Regional Sul 3 da CNBB

Dom José Gislon
Vice-Presidente do Regional Sul 3 da CNBB

Dom Remidio José Bohn
Secretário do Regional Sul 3 da CNBB

CNBB-Sul3