Jesuítas Divulgam Subsídio para Retiro de Advento/Natal

Cartaz RA_para envio-page-001

A comunidade jesuíta de Santa Rita do Sapucaí, MG, está divulgando o Retiro do Advento/Natal de 2013, elaborado pelo Pe. Luís Renato, SJ, e sua equipe em Manaus onde trabalha atualmente como missionário. Pe Luís Renato, SJ, quando residia em Itaici deu vários retiros e semanas de espiritualidade em paróquias da nossa Arquidiocese de Pouso Alegre.

O objetivo deste retiro é saborear através da contemplação o mistério da Encarnação neste tempo litúrgico a ele dedicado. A Apresentação (nº1) e a Proposta (nº2) deste subsídio explicam melhor seu método e os outros arquivos desenvolvem seu conteúdo.
Desejando-lhes um santo Advento, um feliz Natal e um abençoado 2014,
Pe. Élcio, Pe. José Marcos e Jesuítas de Santa Rita do Sapucaí.

Confira o texto tirado da proposta do Retiro de Advento/Natal  e também o material para download.

1. O QUE É O RETIRO DO ADVENTO/NATAL?

O tempo do Advento tem uma duração de quatro semanas. Este ano, começa no domingo 01 de dezembro, e se prolonga até a tarde do dia 24 de dezembro, em que começa propriamente o Tempo de Natal. Podemos distinguir dois períodos. No primeiro deles, que se estende desde o primeiro domingo do Advento até o dia 16 de dezembro, aparece com maior relevo o aspecto escatológico e nos é orientado à espera da vinda gloriosa de Cristo.

As leituras da Missa convidam a viver a esperança na vinda do Senhor em todos os seus aspectos: sua vinda ao fim dos tempos, sua vinda agora, cada dia, e sua vinda há dois mil anos.

O segundo período, que abarca desde 17 até 24 de dezembro, inclusive, se orienta mais diretamente à preparação do Natal. Somos convidados a viver com mais alegria, porque estamos próximos do cumprimento do que Deus prometera. Os evangelhos destes dias nos preparam diretamente para o nascimento de Jesus. Com a intenção de fazer sensível esta dupla preparação de espera, a liturgia suprime durante o Advento uma série de elementos festivos. Desta forma, na Missa já não rezamos o Glória. Reduz-se a música com instrumentos, os enfeites festivos, as vestes são de cor roxa, o decorado da Igreja é mais sóbrio, etc.

Todas estas coisas são uma maneira de expressar sensivelmente que, enquanto dura nosso peregrinar, nos falta algo para que nosso gozo seja completo. E quem espera, é porque lhe falta algo. Quando o Senhor se fizer presente no meio do seu povo, haverá chegado a Igreja à sua festa completa, significada pela Solenidade do Natal. Neste caminho espiritual estamos propondo esta experiência diária de oração, de encontro íntimo com o Senhor da vida, a partir dos textos bíblicos de cada dia ao longo do Tempo do Advento/Natal.

Como também nos anima o Documento de Aparecida: “A oração pessoal e comunitária é o lugar onde o discípulo, alimentado pela Palavra e pela Eucaristia, cultiva uma relação de profunda amizade com Jesus Cristo e procura assumir a vontade do Pai. A oração diária é um sinal do primado da graça no caminho do discípulo missionário. Por isso, “é necessário aprender a orar, voltando sempre a aprender esta arte dos lábios do Mestre” ( D.A. nº 146 ).

Bem, é este caminho de oração, feito no dia-a-dia,por um determinado tempo, baseando-se em exercícios de oração, sugeridos e elaborados neste material, que ora apresentamos.

Elementos básicos para fazer este Retiro do Advento/Natal são:
a. dedicar trinta (30) minutos à oração pessoal diária;
b. rever esta oração durante alguns minutos;

Se você achou interessante a proposta baixe o material para realizar o retiro clicando no botão abaixo.

Comunidade Sol de Deus Prepara Lançamento do Livro da Vida do Pe. Valeriano

A comunidade Sol de Deus e o Residencial Beth Geruth tem o prazer em convidar a todos para  a Santa Missa e logo em seguida o lançamento do livro sobre a vida de Pe. Valeriano que acontecerá no dia 07 de dezembro às 9h da manhã.
Local: Av. José de Souza Nogueira, nº 505, Bairro Santa Rosa, Itajubá – MG
Telefones para contato: (35)3623-7404 e (35)8848-9928

Conhecendo um pouco sobre Pe. Valeriano

O padre Valeriano, viveu como eremita na Comunidade Sol de DEUS durante 12 anos.

Padre Valeriano - Irmao JuniperoTranscrevemos aqui, o testemunho que ele deu de sua vida aos seminaristas de Filosofia e Teologia do Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre, por ocasião da homenagem que lhe fizeram pelos 25 anos de sacerdócio, em maio de 2009.

“Pai, mãe e irmãos, hoje todos falecidos. De 1946 a 1954 fui irmão franciscano na Ordem dos Frades Menores. De 1954 a meados de 1957 fiz um estágio na Fraternidade dos “Petits Frère de Jesus du Père de Foucauld”. Voltando ao Brasil, permaneci como leigo de meados de 1957 a 1959, e em 1960 casei-me com Maria José Freire. Assim, antes do ingresso no Seminário, fui casado e tive dois filhos e três netos.

Possuía uma chácara em Taubaté, que foi transformada em Casa de Retiros e, a partir de 1975, tornou-se a sede da Renovação Carismática de Taubaté. Em 1978, minha esposa faleceu. Em 1980, vendi a Chácara para a Diocese de Campanha.

Cursei Teologia de 1982 a 1984. Fui ordenado sacerdote em 12 de dezembro de 1984, pelo saudoso Arcebispo de Pouso Alegre Dom José D’Angelo Neto; tendo como Lema: CONHECER E AMAR JESUS PARA FAZÊ-LO CONHECIDO E AMADO.

Fui em seguida, designado com pároco de Itapeva, onde exerci o ministério até 1991. Transferido para São Sebastião da Bela Vista – ficando ali como pároco até 1994.  De 1995 e 1996, fiquei com minha mãe, no Asilo de Santa Rita do Sapucaí, pois ela, que vivia comigo, estava muito doente. Ali ela faleceu.  No període de 1996 a 1998 morei na Comunidade Canção Nova.

O meu grande sonho, desde a minha experiência como frade franciscano, era ser um eremita, e isto se tornou realidade em 1998, na “Comunidade Sol de Deus”. Aqui estou muito feliz, nesta santa Comunidade, lavando os pés de meus queridos irmãos que me tratam com um exagerado e imerecido carinho.

A vida em si já é um perpétuo desafio. Durante esses 25 anos, obtive muitas vitórias, dais quais não me glorio porque foram vitórias do Senhor, tendo eu sido apenas um simples instrumento. Mais obediente e maleável eu fosse, muito mais vitórias teria obtido. Se quisesse gloriar-me teria de ser por minhas inúmeras fraquezas e derrotas que na verdade fizeram brilhar a misericórdia do Senhor para comigo, pobre pecador.

Como fui franciscano durante 9 anos, imbuiu-me profundamente do espírito do “Poverello de Assis”. Ao ouvir as mensagens e testemunhos do Padre Roberto Lettieri, quando ele nem era ainda padre, nos idos de 1997, reinflamou em mim o desejo de voltar às fontes de minha vocação primitiva. Confidenciei isso com ele e, no início de 2007, já com 83 anos, e no mês de junho desse mesmo ano, na Festa da Santíssima Trindade, ele veio de Campinas para me acolher na Toca. A celebração realizou-se na Capela São Miguel de nossa Comunidade, e recebi o nome religioso de “Irmão Junípero da Santíssima Trindade”.

Aos queridos seminaristas, a minha mensagem é que sejam radicais na busca da santidade porque a vossa missão no futuro é justamente despertar nas almas esse mesmo ideal de santidade, o que não é u simples conselho, mas uma ordem do Senhor: “Sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,49) e “Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo” (Lev 19,2).

E a História de sua vida, escrita por ele mesmo em outra ocasião:

Transcrevemos aqui, trechos de dois testemunhos que o padre Valeriano deu de sua vida, em duas ocasiões, nos anos de 1994 e 2009:

“Nasci em 22 de setembro de 1924. Meu chamado para a vida religiosa aconteceu em 1946. Saí de Tarumirim em busca de uma vida melhor. Na verdade, fugi, pois havia dito aos meus pais que iria passear em Belo Horizonte, mas tinha a intenção de não mais voltar. Arranjei um emprego em Itabira; dali, fui para o Espírito Santo, de onde consegui transferência para o Rio de Janeiro. Eu era muito ambicioso, queria ficar rico. Tudo ia caminhando segundo os meus planos. Estava também fazendo um curso para o Conselho Federal de Comércio Exterior. Já estava para ser admitido, quando, certa manhã, passando pelo Largo da Carioca, olhei curioso para o Convento dos Franciscanos no alto do morro e me questionei: “O que fará aquela gente ali?”.

Até então, eu ía apenas à Missa dominical, por obrigação. Mas fui tão bem acolhido, que em pouco tempo já participava da Ordem Terceira de São Francisco e fazia a minha confissão geral. Começou meu processo de conversão. Abandonei o emprego, meus projetos e me tornei Franciscano. Mas eu era muito radical, queria viver como os franciscanos do tempo de São Francisco. Soube, então, de uma Comunidade na França, que vivia quase que literalmente  esse ideal. Poucos meses depois, lá estava eu, na “Fraternité des Petits Frères de Jésus du Père De Foucauld”; mas não consegui visto de permanência e voltei para o Brasil. Meu diretor espiritual, Frei João José Pedreira de Castro, grande biblista, convidou-me para fundar com ele o Centro Bíblico Católico, e trabalhamos juntos pela tradução e lançamento da Bíblia da Editora Ave-Maria. Nessa época, traduzi também, mais de 20 livros para a Editora Flamboyant.

Em dezembro de 1958, fui para Taubaté, para tentar novamente a vida religiosa, desta vez com os Capuchinhos. Mas ali me esperava o Senhor com uma “capuchinha” leiga, feita sob medida para mim, e acabei me tornando um “capuchinho de uma capuchinha só”, pois o Senhor “teceu os pauzinhos” e em 1960, acabou acontecendo o que não estava nos meus planos: o casamento.

Ela se chamava Maria José. Era muito santa e linda de viver. Foi um acontecimento muito feliz na minha vida, porque depois de tantas andanças, consegui me fixar e me tornar mais responsável. Ela deu novo impulso ao meu processo de conversão. Tivemos uma filha e adotamos outro.

Em 1965, compramos uma chácara e a transformamos numa Casa de Retiros. Tivemos ali muitas experiências de oração e alguns aprofundamentos, mas o Senhor levou minha santa esposa para o Céu em 1978. Agora, viúvo, o que fazer?

Depois de muita oração decidi buscar o sacerdócio. Fui aceito por Dom José d’Angelo Neto, Arcebispo de Pouso Alegre. Ordenado Sacerdote em 1984, fui Pároco de Itapeva, depois fui transferido para São Sebastião da Bela Vista, e dali para Santa Rita do Sapucaí, onde morei num Asilo, acompanhando minha mãe que estava muito velhinha.

Em 1995, tendo falecido minha mãe, pedi ao meu amigo Padre Jonas para fazer uma experiência na Canção Nova.

Meu grande sonho, desde a minha experiência como franciscano, era tornar-me eremita. E em 1998 esse sonho acabou se tornando realidade na Comunidade Sol de DEUS. Mas como fui franciscano por 9 anos, imbuiu-me profundamente o espírito do “Pobrezinho de Assis” e, ao ouvir as mensagens e testemunhos do Pe. Roberto, reinflamou em mim o desejo de voltar às fontes de minha vocação primitiva. Confidenciei isso a ele e, em 2007, já com 83 anos, ele veio de Campinas para me acolher na Toca de Assis, na capela de São Miguel em nossa Comunidade Sol de DEUS, quando recebi o nome religioso de Irmão Junípero da Santíssima Trindade.
E aqui estou como eremita e franciscano, muito feliz, nesta santa Comunidade, lavando os pés de meus queridos irmãos que me tratam com um exagerado e imerecido carinho”.

Fonte e fotos: www.comunidadesoldedeus.blogspot.com.br

 

 

CNBB promove coleta de assinaturas para Reforma Política

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e entidades que integram a Coalizão Democrática promovem nesta quarta-feira, 27 de novembro, o Dia Nacional de Coleta de Assinaturas para o Projeto de Lei de Iniciativa Popular pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas.

coalizaodemocratica

Proposta

Entre as principais mudanças propostas pelo projeto de lei de iniciativa popular estão: a proibição do financiamento privado e a instauração do financiamento democrático de campanha eleitoral; adoção do sistema eleitoral do voto dado em listas pré-ordenadas, democraticamente formadas pelos partidos, e submetidas a dois turnos de votação; regulamentação dos instrumentos da democracia participativa, previstos na Constituição; criação de instrumentos eficazes voltados aos segmentos sub-representados da população, como os afrodescendentes e indígenas.

Participação das dioceses

Em outubro, o secretário geral da CNBB, dom Leonardo Steiner enviou uma carta, assinada por dom Joaquim Mol,  aos bispos do Brasil  com explicações e orientações sobre o Projeto de Lei de Iniciativa Popular pela Reforma Política.  “A carta que enviamos é para que cada diocese se organize e pense a questão, estude o material e planeje a coleta de assinaturas”.

A ficha para coleta de assinaturas está disponível no site da CNBB: www.cnbb.org.br

A votação também poderá ser online através do site https://eleicoeslimpas.org.br/assine

Igreja de Pouso Alegre será elevada ao título de Santuário

Após 108 anos de sua inauguração Dom Ricardo Pedro concedeu ao Templo do Imaculado Coração de Maria o título de Santuário Diocesano. Por isto, a paróquia Santuário Imaculado Coração de Maria convida todos para esta grande festa!

santuario

 

O que é um santuário?

 

1. Na história bíblica apa­re­cem muitos lugares sagrados, em geral ligados a uma teofania, erguidos pelo povo de Deus (à semelhança dos santuários politeístas dos povos seus contemporâneos), situados quase sempre em lugares altos (Monte Horeb, Betel, Silo, Gabaon, etc.). Antes da cons­trução do Templo de Jerusalém (Salomão), a Arca da Aliança (na sua tenda) era um santuário ambulante. Com a pregação dos profetas contra o perigo de idolatria, e com a reforma religiosa do rei Josias (séc. VII a.C.), concentrando o culto no Templo, os santuários de Israel e de Judá perderam a sua importância em favor do Templo.

2. Na Igreja atual, os santuários são lugares sagrados (igrejas e/ou outros espaços) onde, com aprovação do Ordinário, os fiéis, por motivo de piedade, acorrem em peregrinação. Podem ser diocesa­nos, nacionais ou internacionais, com­petindo, consoante os casos, ao Ordi­nário do lugar, à Conferência Episcopal ou à Santa Sé aprovar os estatutos (CDC 1230-1234). A Igreja reconhece a im­por­tância dos santuários. sobretudo para ali­mentar e purificar a piedade popular, pro­curando que neles os peregrinos en­con­trem à disposição os meios de santificação, nomeadamente a celebração da Penitência, da Eucaristia e de outros sacramentos e sacramentais, e tempos fortes de pregação, de oração e de ­comunhão de fé e de caridade. (Cf. DPPL 261-278).

Diáconos confirmam datas de suas Ordenações Presbiterais

DSCN3347Os diáconos da Arquidiocese de Pouso Alegre, ordenados no dia 19 de outubro na Catedral Metropolitana, já agendaram suas ordenações presbiterais para o próximo ano. Todas as celebrações ocorrem às 10h.

O primeiro a ser ordenado será o diácono Édpo Francisco Campos, no dia 22 de fevereiro na Paróquia Santa Quitéria e São João Batista em Ipuiúna.

Um final de semana depois, no dia 01 de março, a Paróquia São Sebastião, em Bom Repouso, acolhe a ordenação presbiteral do diácono Lucas Silva Crispim. 

No dia 03 de maio é a vez do diácono Leandro Luís Mota Ribeiro ser ordenado presbítero. A celebração será no município de Consolação, na Paróquia Nossa Senhora da Consolação. Por fim, no dia 24 de maio, dia de Nossa Senhora Auxiliadora, padroeira do Seminário Arquidiocesano, o diácono Marcos Eduardo Caliari será ordenado no município de Poço Fundo, na Paróquia São Francisco de Paula.