Símbolos da JMJ serão enviados ao Vaticano em 15 dias

jmj1Em coletiva de imprensa realizada na manhã da última terça-feira (30), o arcebispo da Arquidiocese do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta afirmou que os Símbolos da Jornada Mundial da Juventude, a Cruz Peregrina e o Ícone de Maria, serão encaminhados à Roma nos próximos 15 dias e ficarão em uma capela reservada no Vaticano.

Diferente do que aconteceu no Brasil, quando os símbolos foram entregues aos representantes brasileiros, logo após o término da JMJ em Madri, em 2011, Cracóvia deverá seguir o mesmo procedimento de todas as demais jornadas. A cidade polonesa receberá os símbolos uma semana antes do Domingo de Ramos, no ano que vem, quando jovens brasileiros se encontrarão com os jovens de Cracóvia para entregar oficialmente os símbolos e trocar informações de balanço da JMJ Rio2013 com os preparativos e projetos da edição da JMJ em Cracóvia.

Dom Orani explicou ainda que, no caso do Brasil, a situação foi diferente porque o país tinha menos tempo para a organização da Jornada, visto que, por conta da realização da Copa do Mundo no Brasil em 2014, a Jornada Mundial da Juventude que tradicionalmente de 3 em 3 anos, foi realizada com um ano de antecedência.

O arcebispo também afirmou que a o tamanho territorial do Brasil e o grande número de arquidioceses nas quais os símbolos deveriam peregrinar, também foi um motivo para que o país já recebesse os símbolos em agosto de 2011 e começassem a peregrinar pelo estado de São Paulo.

Papa escolhe o tema da fraternidade para o Dia Mundial da Paz 2014

paz“Fraternidade, fundamento e caminho para a paz”: este é o tema do 47º Dia Mundial para a Paz, que será celebrado em 1º de janeiro de 2014, o primeiro do Papa Francisco.

De acordo com um comunicado do Pontifício Conselho da Justiça e da Paz, o Pontífice escolheu a fraternidade como tema já que “desde o início do seu ministério como Bispo de Roma, destacou a importância de superar a ‘cultura do descartável” e de promover a ‘cultura do encontro’, para caminhar rumo à realização de um mundo mais justo e pacífico”.

Diante dos inúmeros dramas que atingem a família humana, como pobreza, conflitos, criminalidade organizada e fundamentalismos, a fraternidade é fundamento e caminho para a paz.

Esses mesmos dramas e a cultura do bem-estar fazem perder o sentido da responsabilidade e da relação fraterna. Os outros, ao invés de nossos ‘semelhantes’, aparecem como antagonistas ou inimigos e muitas vezes como objetos. Não raramente, os pobres e os necessitados são considerados como um “fardo”, que impede o desenvolvimento. Ou seja, não são mais vistos como irmãos, chamados a compartilhar os dons da criação, os bens do progresso e da cultura.

Como afirmou em várias ocasiões o Santo Padre, é a fraternidade que pode vencer o difundir-se da globalização da indiferença e enraizar-se em todos os aspectos da vida, inclusive na economia, nas finanças, na pesquisa científica e na política.

 

Com informações Agência News.Va

Missa de 7º dia de falecimento será celebrada em memória de Ir. Marina

Ir. MarinaA Arquidiocese de Pouso Alegre e a Congregação das irmãs da Providência de GAP convidam a todos e todas a dedicarem orações pela alma de Ir. Marina, falecida no último domingo. A missa de sétimo dia será realizada no Convento da Providência, na rua Irmã Rafael, 138, no bairro Cruzeiro em Itajubá, no próximo domingo, dia 4, às 10h.

A celebração da Eucaristia no último domingo (28),dia da morte de Ir. Marina, foi presidida pelo Padre Ramon, pároco de Borda da Mata e concelebrada pelo Padre Antonio Carlos, que trabalhou com Ir. Marina como seminarista e veio representando a Diocese de Campanha, a pedido de Dom Diamantino.

Nascida em Borda da Mata aos 14 de dezembro de 1926, Irmã Marina dedicou sua vida ao serviço ao Reino. Em 67 anos de vida consagrada, trabalhou em inúmeras comunidades e em nossa arquidiocese deixou seu legado na Pastoral Bíblico-Catequética, a qual foi coordenadora arquidiocesana nos anos 70. Saiu, incansável, ministrando formação aos catequistas e organizando a catequese em inúmeras paróquias.

Também foi uma das fundadoras, juntamente com Monsenhor Mauro Tommasini, pela instauração da Renovação Carismática Católica em nossa arquidiocese no final da década de 70. Ajudou a promover vários seminários de formação, até mesmo congressos nacionais sobre o movimento que surgia no país.

Amigos e amigas de missão, fazem côro às palavras de Ir. Maria Inês, provincial da Congregação, sobre a pessoa de Ir. Marina:

“Em todos os lugares por onde passou deixou marcas de sua alegria, de seu ardor missionário, de sua dedicação, de seu interesse pela vida das paróquias e de sua grande devoção à Virgem Maria. Grande era seu empenho pela Infância Missionária.

Sua maneira de ser, simples, bondosa, delicada, alegre, disponível, humana, tornaram felizes muitas pessoas. (…)

 

Santa Rita de Caldas prepara festa de sua Padroeira

A partir do próximo sábado, a Paróquia de Santa Rita de Caldas estará em festa. Tem início os preparativos para o dia de Santa Rita de Cássia, padroeira do Município. Serão 15 dias de muita oração e convívio entre a comunidade.

Um dos destaques é a carreata com a imagem de Santa Rita de Cássia pelas ruas da cidade até a Igreja Matriz, onde será celebrada uma missa. A carreata ocorre dia 11 e tem início às 18h30.

No dia da Padroeira estão previstas 11 Celebrações Eucarísticas, sendo a primeira às 04h30 e a última às 19h30.

Veja a programação da festa

festa de santa rita (2)

Papa chega ao Vaticano e agradece a Nossa Senhora pelo bom êxito da JMJ

Chegada_Roma_JMJO Papa Francisco chegou, na manhã desta segunda-feira, ao aeroporto romano de Ciampino, precisamente, às 11h24, concluindo assim a primeira Viagem Apostólica Internacional de seu Pontificado, viagem esta que o levou ao Brasil para a tão esperada Jornada Mundial da Juventude no Rio.

Ao chegar a Roma, antes de transferir-se para o Vaticano, o Santo Padre dirigiu-se imediatamente à Basílica de Santa Maria Maior, para agradecer a Nossa Senhora pelo bom êxito da JMJ no Rio de Janeiro. Segundo informações do Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, o Papa se deteve por dez minutos, em oração, diante do altar da Virgem.

O Bispo de Roma colocou aos pés da imagem de Nossa Senhora uma camisa com as cores do Brasil e uma bola recebidas no Rio de Janeiro.

Durante a viagem de retorno do Rio de Janeiro para Roma, o Pontífice concedeu uma longa entrevista aos jornalistas, que com ele viajavam no mesmo avião. Em cerca de quase uma hora e meia, o Papa fez um balanço da sua viagem, falando, em italiano, com total liberdade aos jornalistas:

“Boa noite e muito obrigado! Esta foi uma viagem linda e me fez muito bem espiritualmente. Estou bastante cansado, mas com o coração alegre… Encontrar as pessoas faz bem, porque o Senhor trabalha em cada um de nós, trabalha em nosso coração: a sua riqueza é tão grande, que podemos receber muitas coisas boas dos outros. Esta é uma primeira coisa, deste balanço! Depois, quero dizer que a bondade do povo brasileiro é enorme! Seu coração é realmente grande! É um povo amável! Um povo que adora fazer festa! E, apesar do seu sofrimento, encontra sempre um jeitinho para ver os aspectos positivos em tudo! Enfim, é um povo alegre, apesar de sofrer tanto! A alegria dos brasileiros é contagiosa”.

Continuando a fazer um balanço da sua viagem, o Papa Francisco falou ainda sobre a preocupação acerca da sua segurança pessoal, por parte dos organizadores:

“Estava tudo cronometrado… Mas, era bonito… Se pensava só na segurança… aqui, ali…. mas tudo foi tão espontâneo nestes dias no Rio de Janeiro, tanto que a hipótese da segurança passou em segundo lugar. Com menos segurança e sem carro blindado, eu pude estar mais próximo do povo, abraçá-lo, cumprimentá-lo, sem carro blindado… A segurança consiste em confiar no povo! É verdade, a gente sempre corre o risco de encontrar algum louco, que pode pôr em risco a vida. Mas, o Senhor sempre está presente… blindar o espaço entre o Bispo e seu povo é uma loucura! Mas, eu prefiro esta loucura de estar entre seu povo, livremente; o contato com as pessoas faz sempre bem. E referindo-se à organização e à infraestrutura dos diversos momentos da JMJ, como a parte artística, religiosa, catequética, litúrgica, o Santo Padre disse que tudo foi muito lindo! Os brasileiros têm uma grande capacidade de se exprimir na arte… fizeram coisas maravilhosas! E aí, o Papa recordou sua visita a Aparecida: “Para mim, foi uma experiência religiosa muito forte. Lembrei-me da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, Conferência esta realizada em Aparecida. Eu queria ir ali, de forma privada, escondida, só para rezar. Mas, como fazê-lo diante de toda uma multidão de peregrinos e romeiros que vão para lá…”.

Neste contexto, o Santo Padre agradeceu pelo serviço prestado pelos jornalistas, durante a JMJ, apesar de ele mesmo não ter tido tempo de ler os jornais ou ver a televisão. Mas, pelo que lhe disserram, a mídia fez um bom trabalho. Eis o motivo pelo qual o Papa agradeceu pela preciosa colaboração da mídia.

Por fim, Papa Francisco falou sobre o número de jovens que participaram da JMJ. O Governador do RJ, disse o Papa, “falava de cerca de 3 milhões. Nem acredito! Mas, de fato, do altar, pude ver que toda a Praia de Copacabana, que tem cerca de 4 quilômetros, estava completamente lotada”! E, segundo as informações do arcebispo do RJ, Dom Orani João Tempesta, os jovens representaram 178 nações!

 

Com  informações Agência News.Va