Padre Vanir celebra 36 anos de sacerdócio em missa presidida por Dom Marco Aurélio

DSC05720

Nesta terça-feira (28), mesmo com a chuva persistente, muitos fiéis participaram na Matriz de São José (Paraisópolis – MG) da Missa de Ação de Graças pelo 36º aniversário de ordenação presbiteral do pároco, Padre Vanir Ramos Barbosa.

Presidiu a Eucaristia Dom Marco Aurélio Gubiotti, ordenado Bispo no último domingo (26) em Ouro Fino, sua cidade natal. Nove foram os sacerdotes concelebrantes: Padres Vanir Ramos Barbosa, Sebastião Márcio Maciel, José Raimundo do Prado,José Francisco da Silva, Paulo Vieira Âmbar, Inácio Pires,João Batista de Godoi, Pedro Alves dos Santos e Cônego Braz Tenório Rocha.

Na homilia, Dom Marco Aurélio chamou atenção para a doação incondicional da vida a Deus que os cristãos e, de modo especial, os sacerdotes devem fazer. E citou os trinta e seis anos de vida sacerdotal do Padre Vanir como exemplo. Lembrou que, ainda adolescente, participou da cerimônia de ordenação do aniversariante na cidade de Caldas o que contribuiu para fortalecer o seu desejo de ser padre. Recordou também que, quando seminarista, estagiou na Paróquia São José e pode conhecer o espírito acolhedor do Padre Vanir, que tanto bem fez ao Povo de Deus nas paróquias em que exerceu o ministério presbiteral.

No final da celebração, que contou também com a participação do Sr. Benedito Gubiotti, pai de Dom Marco Aurélio, o professor Luiz Gonzaga da Rosa, em nome da comunidade, dirigiu breves mensagens ao Padre Vanir e a Dom Marco Aurélio, cumprimentando-os respectivamente pelo aniversário de ordenação e pela sagração episcopal e agradecendo a doação da vida que fizeram ao Reino de Deus. Também em nome da comunidade, Maria Stela Barros Palma da Rosa e Edvaldo Souza entregaram-lhes algumas lembranças.

Padre Vanir e Dom Marco Aurélio agradeceram as homenagens e, após rezarem com a comunidade a Ave-Maria, juntamente com os demais sacerdotes, abençoaram os fiéis, encerrando a bela celebração.

Fotos

DSC05702

 

 

 

 

 

 

 

 

DSC05708

 

 

 

 

 

 

 

 

DSC05698

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja mais fotos em www.oparaisodejose.blogspot.com

Artigo: II Encontro de Jovens a Caminho de Cristo em Cachoeira de Minas

EncontroJovens_29-05-13Tem-se percebido nos últimos tempos que os jovens estão cada vez mais se perdendo em caminhos diversos seja nas drogas, nos vícios, no hedonismo, no individualismo, no egoísmo, no consumismo, no culto ao corpo entre outras coisas; e, para piorar, vivemos um tempo de desintegração das famílias. Todas essas coisas tem assolado os jovens e tem os levado para bem longe de descobrir o verdadeiro sentido da vida, que leva à felicidade e à realização do ser humano.

A juventude hodierna não sabe para onde ir ou o que fazer para poder sanar o vazio que a assombra (aliás, não é uma situação só dos jovens, mas da sociedade toda). As propostas são muitas, mas qual delas pode garantir a “vida em plenitude” (cf. Jo 10,10)?

Esta foi mais uma vez a proposta do II encontro JCC (Jovens a Caminho de Cristo), realizado nos dias 25 e 26 de maio deste ano, com a presença de 33 jovens de Cachoeira de Minas, e 01 de Santa Rita do Sapucaí. Foram dois dias de muita benção de Deus. Tivemos muitas palestras sobre os mais diversos temas, desde o amor de Deus até o relacionamento familiar. Música, animação e muita alegria foram marcas deste Encontro que foi animando por jovens da Banda JOVISA de Itajubá, além de teatros improvisados e algumas danças típicas de encontro de jovens. Um dos pontos mais altos deste Encontro foi o tema família. Nossos jovens ouviram muito sobre o relacionamento familiar e para fechar o Encontro, não poderia ser diferente, os familiares de cada jovem compareceu no local do Encontro e fizeram aquela surpresa para seus filhos, num momento de lágrimas e alegria, oração e amor. Após o encerramento do Encontro, na Escola  Capitão Manuel Machado Homem, os jovens saíram em procissão para a Igreja matriz, onde participaram da Santa Missa.

A todos que colaboraram na realização deste encontro o nossos sinceros agradecimentos.

 

Pe. Marco Antônio e comissão organizadora do JCC 2013

Papa: "A Igreja é a grande família de Deus, mesmo com seus defeitos"

Foto: Rádio Vaticano.
Foto: Rádio Vaticano.

Cerca de 90 mil fiéis lotaram a Praça S. Pedro para a Audiência Geral desta quarta-feira. Depois de fazer o giro da Praça para saudar a multidão, debaixo de garoa, o Papa iniciou esta manhã um novo ciclo de catequeses, que tratará do mistério da Igreja a partir de expressões presentes nos textos do Concílio Vaticano II.

Veja o vídeo da catequese

A primeira delas foi: a Igreja como família de Deus. A parábola do filho pródigo, afirmou o Papa, indica bem o desígnio de Deus para a humanidade. Ele quer fazer de nós uma única família, para que cada um sinta sua proximidade e o seu amor.

Neste grande desígnio, a Igreja encontra sua raiz. A própria palavra “Igreja”, do gregoekklesia, significa “convocação”: Deus nos convoca, nos impulsiona a sair do individualismo, da tendência de fechar-se em si mesmo e nos chama a fazer parte da sua família. Toda a história da salvação é a história de Deus que busca o homem, lhe oferece o seu amor e o acolhe. Na plenitude dos tempos, Ele mandou Seu Filho, Jesus Cristo, para nos comunicar a vida divina.

A Igreja tem a sua origem na Cruz, do lado aberto de Cristo de onde jorraram sangue e água, símbolos dos Sacramentos da Eucaristia e do Batismo. No dia de Pentecostes, recebendo o dom do Espírito Santo, Ela se manifesta ao mundo, anunciando o Evangelho e difundindo o amor de Deus.

Ainda hoje, alguns dizem: “Cristo sim, a Igreja não”, “Eu acredito em Deus, mas não nos padres”. A eles, Francisco responde:
“Mas é justamente a Igreja que nos traz Cristo e que nos leva a Deus; a Igreja é a grande família dos filhos de Deus. Certamente há também aspectos humanos; naqueles que a compõem, pastores e fiéis, há defeitos, imperfeições e pecados: também o Papa tem pecados. E muitos! Mas o belo é quando nos damos conta de sermos pecadores, e encontramos a misericórdia de Deus. Deus perdoa sempre. Não se esqueçam disso: Deus perdoa sempre.”

Quando pecamos, ofendemos a Deus – afirmou. Mas Ele nos dá a oportunidade de nos humilhar para perceber que existe algo maior, que é a sua misericórdia.

Devemos nos perguntar: quanto eu amo a Igreja? Rezo por ela? Sinto-me parte desta família? Neste Ano da Fé, concluiu o Pontífice, peçamos ao Senhor que as nossas comunidades sejam sempre mais verdadeiras famílias que vivem e transmitem o calor de Deus.
No final da audiência, o Papa saudou de modo especial os jovens poloneses que se reunirão em 1º de junho numa vigília em Lednica para refletir sobre o tema da paternidade.

Aos romanos, o Santo Padre recordou que nesta quinta-feira, festa de Corpus Christi, celebrará às 19h a Santa Missa em São João de Latrão, ao final da qual se realizará a procissão que se concluirá em Santa Maria Maior. “Convido os fiéis de Roma e os peregrinos a se unirem neste ato de profunda fé pela Eucaristia, que constitui o mais precioso tesouro da Igreja e da humanidade.”

 

Com informações da Agência News.Va
Fotos: Rádio Vaticano no Facebook

Em fotos, veja como foi a Ordenação de Dom Marco Aurélio

Imagens: Pupa Dias - Pascom Arquidiocese de Pouso Alegre.
Imagens: Pupa Dias – Pascom Arquidiocese de Pouso Alegre.

A Equipe da Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de Pouso Alegre criou um álbum especial para que você veja como foi a ordenação Episcopal de Dom Marco Aurélio Gubiotti, na tarde do último domingo, 26.

Clique aqui e veja as fotos

Veja as fotos do Álbum II

Para acessar, é preciso que você tenha uma conta no facebook. Todas as fotos são de Pupa Dias, da equipe Pascom Arquidiocesana.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dom Marco Aurélio Gubiotti é ordenado em Ouro Fino

391612_378843908901449_2118247388_nNuma linda celebração na tarde deste domingo, 26, foi ordenado bispo Dom Marco Aurélio Gubiotti. Filho de Ouro Fino, com 49 anos, ele foi nomeado pelo agora papa emérito, Bento XVI, como bispo da Diocese de Itabira-Coronel Fabriciano. A celebração contou com a presença de 12 bispos, dezenas de padres, milhares de fiéis e autoridades políticas e civis do Estado e de diversos Municípios.

Veja a reportagem veiculada pela EPTV

A celebração foi presidida pelo Arcebispo de Niterói, Dom José Francisco Rezende Dias, bispo ordenante principal. Outros bispos ordenantes foram o Arcebispo Metropolitano de Pouso Alegre, Dom Ricardo Pedro Chaves Pinto Filho, e o bispo auxiliar da Arquidiocese de Aparecida, Dom Darci José Nicioli, C.Ss.R.

Ainda na procissão de entrada, o ordenando foi aclamado por toda a assembleia. ainda no início da celebração, prestou sua homenagem o Governo em exercício do Estado de Minas Gerais, senhor Alberto Pinto Coelho.

O rito da ordenação
Proclamado o Evangelho, um representante do clero de Itabira-Coronel Fabriciano, pediu a Dom José Francisco a ordenação do383480_378853295567177_1653738207_n eleito, apresentando-o. A bula com a nomeação emitida pelo Vaticano foi lida pelo padre Leandro de Carvalho Raimundo.

Em seguida, o presidente da celebração, em sua homilia, relembrou a vida de Marco Aurélio Gubiotti e destacou a importância do bispo na vida da Igreja.  O eleito foi interrogado na sequência, para que, perante toda a Assembleia, exprimisse sua vontade de exercer o múnus de acordo com o pensamento de Cristo e da Igreja e em comunhão com a Ordem dos Bispos.

No momento da Ladainha, o candidato se prostrou ao chão, onde todos imploraram a graça de Deus. Pela imposição das mãos dos Bispos e a oração de Ordenação foi conferido ao eleito o dom do Espírito Santo para o múnus de Bispo.

Pela imposição do livro do Evangelhos sobre a cabeça do ordinando, enquanto era proferida a oração de Ordenação, e também pela sua entrega nas mãos de Dom Marco Aurélio, manifestou-se o principal ministério do Bispo, que é a pregação fiel da palavra de Deus. O novo Bispo teve sua cabeça ungida, significando a participação peculiar no sacerdócio de Cristo. Pela entrega do anel, indicou-se a fidelidade do Bispo para com a Igreja, esposa de Deus.

Dom Marco Aurélio também recebeu a mitra, a qual significa a incessante procura da santidade, enquanto pela entrega do báculo pastoral, ficou expresso o múnus de governar a Igreja que lhe é confiada.